AMBIENTALISTA PROTESTA A CONSTRUÇÃO DA FÁBRICA NA ZONA DA GRAÇA


Por: Rufina Lucamba

Efectivou-se Quinta-feira (2) na Universidade Jean Piaget de Benguela, a edição do Quintas de debate em que se discutiu a questão ambiental a respeito da fábrica de fertilizante químico que está a ser erguida na área adjacente ou ISJP e numa zona habitacional.

            Com o lema da campanha “não à desgraça na graça” o prelector Isaac Sassoma, um dos oradores do certame, fala dos danos ambientais e refere que uma fábrica de fertilizantes químicos pode causar sérios problemas à saúde humana, e protesta que a fábrica seja erguida num local com baixo risco de poluição.

“Um país não pode apenas desenvolver do ponto de vista econômico social por saber que a fábrica vai gerar emprego para várias famílias”. Defende o ambientalista que uma área pode mudar de vocação no processo de ordenamento do território quando não responde aquilo que foi designado, mas não pode ser uma área urbana e ao mesmo tempo zona   industrial, fere os princípios de ordenamentos de território e contradiz o que está estabelecido na Constituição da República e em outras leis”.

“Não é só ter orgulho e pensar na lucratividade desenvolver de maneira sustentável nos últimos anos já se fala de países ecológicas que estão avançados na saúde pública” reiterou.

Ainda viu-se indignado o silêncio pacífico do governador por não se pronunciar até aqui e ver as obras a caminhar ao bom ritmo.

Recorda que qualquer governo  que trabalha na preservação do meio ambiente tem em vista  três pilares fundamentais, a legislação ambiental,a ética e a educação para desevolvimento sustentável.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.