MORADORES DAS SALINAS CONSTROEM ESCOLA COM FUNDOS PRÓPRIOS E CONTRIBUEM PARA A REDUÇÃO DE CRIANÇAS FORA DO SISTEMA DE ENSINO


No dia 11 do corrente mês a Omunga realizou a visita de constatação à comunidade das Salinas (em conflitos de terras contra a Administração Municipal de Benguela) no município de Benguela, com objectivo de se inteirar sobre os avanços da construção de uma escola construída pela comunidade com fundos próprios. Da escola do ensino primário e 1º ciclo Rainha Nzinga Mbandi situada na comunidade das Salinas no Município de Benguela.

Durante a visita realizada com o acompanhamento da comissão de moradores, a Omunga constatou que a escola está bem apetrechada, com uma construção de raiz. Conta com 6 salas de aulas que apesar da falta de carteiras, o ambiente no interior como no exterior está bem organizado (rebocado e pintado dentro e fora e com um contrapiso a base de betão simples), cada sala tem um quadro preto com aproximadamente com 2m de altura e 1,80m de comprimentos.

Apesar de não terem ainda o reconhecimento definitivo da direcção provincial da Educação, as aulas já arrancaram no dia 2 de Março e actualmente a escola alberga um total de 540 crianças inseridas das 606 inscritas e com o apoio de 11 professores formados em pedagogia, que foram recrutados pela comissão e que desde antes do início do ano letivo têm participado nos seminários promovidos pela repartição Municipal da Educação de Benguela.

A escola tem recebido a visita de alguns inspectores da direção Provincial da Educação. Segundo a informação da comissão, na última visita os inspectores orientaram à comissão para que sejam construidos WC para professores e alunos, o que já está em curso.

Considerando que 66 crianças inscritas não foram inseridas por sobrelotação das salas, a comissão foi recomendada pelos inspectores da direcção provincial da educação para que a comunidade veja a possibilidade de construir salas anexas provisórias ( chapa) .

Importa lembrar que as crianças que frequentam aquela escola são provenientes de 12 bairros vizinhos da comunidade. Por outra colaboradores da escola, como os professores, as responsáveis da limpeza e os seguranças, que tomam conta da escola são pagos através das contribuições dos moradores, tal conforme foi construída a mesma escola.

Neste momento as principais preocupações da comissão dos moradores estão ligadas a falta de carteiras, o reconhecimento total da escola, a falta de energia elétrica, água canalizada (neste momento a escola depende de cisternas).

Após a visita na escola a Omunga ofereceu 7 árvores que foram plantadas no mesmo dia no pátio da escola, contribuindo assim para o meio ambiente.

Para além da plantação das árvores, a Omunga conversou também com a comissão de moradores, que actualizaram sobre a situação actual dos conflitos que vêm travando contra a administração municipal de Benguela.

 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.