ACTIVISTAS NO LOBITO FALAM DAS SUAS ÚLTIMAS EXPERIÊNCIAS DE PRISÃO


0,,18862030_304,00

24/08/16

ACTIVISTAS NO LOBITO FALAM DAS SUAS ÚLTIMAS EXPERIÊNCIAS DE PRISÃO

Temos vindoa a acompanhar com enorme preocupação a perseguição, agressão, detenção, prisão e condenação de activistas e cidadãos um pouco por todo o país.

O caso que mais marcou, através da média, foi o caso dos “15+2” em Luanda que, continua ainda a impressionar o país e o mundo. Os jovens enquadrados nos “15+2”, negam querer ser amnistiados já que consideram não terem cometido qualquer crime e por isso aguardarem a decisão do Tribunal Supremo.

No entanto, não nos devemos prender apenas a este caso já que, regularmente, cidadãos são impedidos um pouco por todo o país, de exercer o seu direito fundamental que é o da manifestação.

Por isso gostaríamos apenas lembrar de alguns casos ocorridos desde o mês transato. A 23 de Julho,46 cidadãos foram detidos em Benguela quando programavam realizar uma manifestação para exigir medidas concretas contra a criase e a inflação. Vinte e três deles foram detidos conjuntamente com a viatura da OHI que os transportava. Esta viatura continua até à presente data retida pela polícia nacional de Benguela. Os referidos activistas foram libertos no início da noite daquele mesmo dia.

Já a 4 e 5 de Agosto,no 2º Tchimbuila, zona alta da cidade do Lobito, 4 activistas foram detidos e acusados de “furto qualificado” e “tráfico de drogas”. Dois deste jovens já se encontram em liberdade a aguardarem o desenvolvimento do +processo, depois de ter-se pago a caução. No entanto Valeriano Kussumuna e Amaro Justino Quintas continuam a aguardar pela solidariedade para que seja paga a caução.

No final da tarde de 21 de Agosto mais dois activistas membros do MRB foram agredidos e detidos no 2º Tchimbuiila, no Lobito, pelo comandante da 4ª esquadra e cerca de 20 agentes, apenas porque se encontravam reunidos.

Entretanto, no sábado, manifestantes em Luanda foram sériamente reprimidos pela polícia junto ao Largo 1º de Maio, quando pretendiam exigir a demissão do presidente da República e em Malange, a polícia impede a realização duma manifestação, no mesmo final de semana.

A OMUNGA ouviu Avisto Bota, activista do MRB que nos falou sou os factos ocorridos a 4 e 21 de Agosto no 2º Tchimbuila.

Paulo Vince Cinco, um dos activistas detidos na tarde de 21 de Agosto, também conversou com a equipa da OMUNGA e falou sobre o que realmente aconteceu naquele dia.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.