DEVOLVAM AO ESTADO O DINHEIRO ROUBADO: Discussões públicas sobre o repatriamento de capitais


DEVOLVAM AO ESTADO O DINHEIRO ROUBADO

Lobito, 23/03/2018

Milhões e milhões de dólares foram desviados do erário público, ao longo de vários anos enquanto milhões de crianças morreram por malária, antes de chegarem aos 5 anos de idade. Milhões de crianças viram-se forçadas a permanecer fora do sistema de ensino. Milhões de crianças vêem-se obrigadas a trabalhar, deixando de usufruir o seu direito a brincar.

Num quadro dramático em que o OGE de 2018 obriga o Estado e os angolanos a apertarem o cinto para pagar mais de 50% na dívida pública, sem qualquer questionamento e sem qualquer investigação, o executivo liderado pelo presidente da República, João Lourenço avança com uma proposta de lei para amnistiar os cidadãos que levaram de assalto às contas públicas e transformaram o nosso país no descalabro em que nos encontramos.

DEVOLVAM AO ESTADO O DINHEIRO ROUBADO é uma campanha iniciada por um grupo de cidadãos nacionais, à qual a OMUNGA aderiu pela sua justeza.

Nesta campanha, a OMUNGA estabelece como princípio a necessidade e a obrigatoriedade da auditoria da dívida pública (já impedida pela Assembleia Nacional), como exige que existam uma série de pressupostos que devem ser observados na legislação desta matéria.

Considerando que a presente discussão legislativa não queira transformar a Nação Angolana na veleidade da transformação da ética e do sentido de Estado num mesquinho encobertamento de vícios, deformações e crimes e consequentemente a sua transformação em valores éticos “normais”, a OMUNGA decide aproveitar o espaço establecido pela Assembleia Nacional para que seja aprovada a Lei que se debroçará sobre este tema, em Maio deste ano, para avançar com discussões e esclarecimentos públicos dos cidadãos.

Acompanhem a entrevista do activista José Patrocínio ao programa Tarde Mais de 23/03/2018 da Rádio Mais  do Lobito sobre o tema.

Este assunto é nosso. DEVOLVAM AO ESTADO O DINHEIRO ROUBADO

 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.