PLATAFORMA SUL TORNA PÚBLICO EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA SOBRE A NOTA DE REPÚDIO DO DISCURSO DO JLO DA RELATIVIZAÇÃO DA FOME   Recentemente updated!


Por: Edmilson João, Estagiário da Área de comunicação/OMUNGA
 
A plataforma Sul realizou hoje no auditório das Irmãs Paulinas, em Luanda, a conferência de Imprensa para repudiar o discurso do presidente da República, João Lourenço, que articulou durante o encerramento do VIII Congresso Ordinário do MPLA que considerou que o uso incessante da palavra fome por vários actores talvez seja uma questão de conveniência própria ou política. “A fome é sempre relativa”, disse.
 
Em resposta, a Plataforma Sul, em conferência de Imprensa, pronunciou-se, em nota de protesto, que a afirmação do Presidente da República resulta da falta de compromisso do MPLA em atacar as causas da fome e da malnutrição em todo o país, especialmente no Sul de Angola. Ao fazê-la, vossa Excia condena à morte de milhões de Angolanos que, sem protecção, já estão à beira da morte e não têm alimentos.
 
Em entrevista a Omunga, uma das representantes da Plataforma Sul, Cesaltina Abreu, diz que é um imperativo decretar o estado de emergência no sul do país. A pesquisadora defende que não aceita as declarações do Presidente da República sobre a questão da fome ser relativa, e acredita que é falta de sensibilidade em resolver a situação
 
Por outro lado, um dos representante da ACC ( Associação Construindo Comunidade), Mensageiro Andrade, Vindo da Huíla para participar da Conferência de Imprensa, fala que mais de dez pessoas na Huíla já morreram de fome.
“ A situação da Huíla é de trazer lágrimas nos olho. Os nossos irmãos estão a passar inúmeras dificuldades. As crianças estão completamente desnutrida, algumas pessoas na Huíla para se livrar da fome alimentam-se de algumas raízes e frutos silvestres.” disse.
 
A conferência contou com a presença de alguns órgãos de Comunicação Social privado, representantes de algumas organizações da sociedade cívil, membros de algumas administrações municipais e distritais e membros da sociedade civil em geral.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.